13 de janeiro de 2012

Templo Shao Lin de Henan

O Mosteiro Shao Lin é o ponto de origem do Kung Fu Shao Lin que conhecemos e um dos templos mais famosos do budismo na China.


O templo foi construído em 495 d.C. por um forte patrocinador do budismo na China, o imperador Xiau Wen (reinado: 471 - 500 d.C.|dinastia Wei). Sua localização inicial foi no meio da floresta ao pé da montanha Song na província de Henan.

O nome Shao Lin, cujo significado é "Floresta Jovem", advem do fato de ter ocorrido um grande incêncio na floresta ao redor, que aos poucos foi se regenerando devido ao replatio das árvores. Construído para ser o maior centro de estudo do budismo da época teve como seu primeiro monge superior o Abade Bahdra (Batuo) e assim ficou até 525 d.C., quando o monge indiano Damo (Bodhidarma) chegou e, segundo muitos contam,introduziu as artes marciais no mosteiro.

Muitos militares e nobres perseguidos refugiaram-se no mosteiro de Shao Lin foragidos, convidados e alguns até mesmo em busca da iluminação oferecida pelo budismo. Por esse e outros motivos, os monges de Shao Lin puderam aprender e aprimorar quaisquer estilos de artes marciais com que tivessem contato.

Damo foi o vigésimo oitavo patriarca do budismo Mahayana e o primeiro patriarca do budismo Chan (Zen). Junto com os seus ensinamentos Damo deixou alguns exercícios para melhorar a saúde dos monges, como o Yi Jin Jing (Tratado da Renovação dos Tecidos e Tendões) e o Xi Sui Jing (Tratado da Medula).

Os estilos de artes marciais no Templo Shao Lin eram exclusivos aos monges e devido à grande variedade, eles foram divididos e ensinados em 48 câmaras diferentes, cada uma com um estilo diferente e um monge responsável. A mais famosa ensinava "As Dez Rotinas de Shao Lin", a base do Shao Lin do Norte.

Devido a ataques que o mosteiro havia sofrido, em 1650 os monges resolveram aceitar discípulos leigos só para o aprendizado marcial, pois assim eles ficariam mais protegidos e evitariam que suas técnicas se perdessem.



Entretanto, o mosteiro foi mais uma vítima das guerras na China, pois além de servir como aliados também eram uma grande ameaça aos imperadores. Quase destruído em dois ataques, um em 1736 e o outro em 1928, onde só restaram o portal de entrada e parte do cemitério, o mosteiro quase teve seus estilos perdidos. Os ensinamentos só continuaram a ser difundidos devido à alguns monges sobreviventes e aos leigos que haviam sido ensinados anteriormente.

Dentre os monges que fugiram, os que mais se destacaram foram Li Shikai, Hu Dadi, Ma Shaoxing, Fang Dahong e Cai Dezhong. Estes refugiados se uniram aos monges Yun Zong e Zhi Kong e formaram o Templo Shao Lin em Fukien (Sul). Houve outros mosteiros que estiveram relacionados de alguma forma com as artes marciais, mas a despeito do que muitos afirmam, o mosteiro de Shao Lin nunca possuiu filiais ou relações diretas com outros mosteiros, mesmo com o de Fujian.